Oficiais de Justiça participam de curso de conciliadores na Seção Judiciária de Minas Gerais

Oficiais de Justiça participaram, entre os dias 3 e 13 de setembro, do Curso de Formação de Conciliadores promovido pelo Centro Judiciário de Conciliação e Cidadania da Seção Judiciária de Minas Gerais (CEJUC/MG).

Na abertura, o coordenador adjunto do CEJUC, juiz Itelmar Raydan Evangelista, falou sobre o papel do conciliador no contexto dos centros judiciários de conciliação e fez um panorama da evolução da conciliação no Poder Judiciário brasileiro e da sua importância como instrumento de pacificação social e de resolução de conflitos.

Os servidores Amílio Alves da Silva Torres, Ana Carolina Ramos Jorge e Maria Ângela Duarte Pardini foram responsáveis pelas aulas do módulo teórico-prático, que abrangeram os seguintes tópicos: ‘Panorama da Conciliação’; ‘Fundamentação Teórica’; ‘Apresentação à Conciliação’; ‘Teoria e Prática da Conciliação’ e ‘Princípios Formadores da Conciliação’.

A programação do evento também contou com palestras ministradas pelos juízes federais André Prado de Vasconcelos (Desenho de Sistema de Disputas e Projeto Anel Rodoviário e BR381); Carlos Geraldo Teixeira (Benefícios Previdenciários); Fernanda Martinez Silva Schorr (Sistema Financeiro de Habitação) e Mário de Paula Franco Júnior (Conciliação e o Caso Mariana/Bento Rodrigues).

Segundo o Centro Judiciário, a carga horária do curso atendeu as Resoluções nº 125/CNJ e 398/CJF, num total de 100 horas, sendo 40 de curso teórico e 60 horas de prática supervisionada (estágio supervisionado), ambos de caráter obrigatório.

Os Oficiais de Justiça que participaram do treinamento são Hebe-Del Kader Bicalho, Marco Antonio Paiva e Lilian Lemos. As Oficialas Flavia Borges e Tereza Brito participaram da edição anterior do curso.

Para o vice-presidente da Assojaf-MG, “é importante que os Oficiais de Justiça se interessem pela conciliação, uma vez que existe o projeto de lei que atribui a função para os Oficiais”, finaliza Hebe-Del Kader.

Da assessoria de imprensa, Caroline P. Colombo