Home / ASSOJAF / PERTENCIMENTO E AUTORRESPONSABILIDADE: É PRECISO TOMAR POSSE DA PRÓPRIA VIDA

PERTENCIMENTO E AUTORRESPONSABILIDADE: É PRECISO TOMAR POSSE DA PRÓPRIA VIDA

ff512272030b95d425b4251cdcd27794Os Oficiais de Justiça que participam do XI Congresso Nacional (CONOJAF) em Teresina (PI) tiveram, no período da tarde desta quarta-feira (05), a palestra humanística sobre Pertencimento e Autorresponsabilidade com a Oficiala aposentada de Minas Gerais, Maria de Fátima Santana.

Na exposição, Fátima enfatizou métodos e procedimentos necessários para que os Oficiais de Justiça exerçam a autorresponsabilidade não apenas no exercício da função e nas relações associativas, mas em toda a vida pessoa. De acordo com ela, sem compreender a relação entre as atitudes e os eventos da vida, assumindo por eles total responsabilidade, não é possível tomar posse da vida. “Assim ficamos a mercê dos acontecimentos que, ao invés de pontos de apoio, serão apenas pontos de tropeço”.

A aposentada destacou que à medida em que se pratica a autorresponsabilidade elimina-se a autopiedade, vitimismo, culpabilização do outro, resignação, julgamento, ressentimentos e ilusão infantil da própria onipotência.

“Na medida em que vocês retiram a responsabilidade de si mesmos, nessa mesma medida vocês restringem a própria liberdade. Ela se submete a qualquer situação e isso é escravidão”, enfatizou.

Durante a explanação, a painelista explicou que a Lei da Responsabilidade Pessoal é o princípio orientador na busca da raiz das obstruções de uma pessoa. Pela contemplação da própria vida, especialmente dos sucessos e insucessos, é possível delinear onde deve existir uma atitude interna correspondente. “O medo é o pai e a mãe de todas as outras negatividades”, completou.

Quando se descobre a si próprio e, consequentemente, os papeis que desempenham na criação do destino, realmente chegam ao centro. Vocês não mais serão dirigidos, e sim mestres de sua vida. Não serão mais limitados pelas forças que não compreendem. A maior prova de amor à alguém é deixá-la livre. “Libere o outro com a responsabilidade de lhe fazer feliz”, finalizou.

De Teresina (PI), Caroline P. Colombo

Sobre Viviane Rodrigues