Home / Sem categoria / Categoria em Mato Grosso aprofunda discussão contra o desmonte da Justiça Eleitoral e a precarização geral do País

Categoria em Mato Grosso aprofunda discussão contra o desmonte da Justiça Eleitoral e a precarização geral do País

Era para ser apenas um ato contra a extinção das Zonas Eleitorais, mas, em Mato Grosso pelo menos, este 10 de outubro foi um dia de protesto do Sindijufe (MT) e dos Servidores do Judiciário por todos os absurdos que estão acontecendo no País contra os Servidores Públicos e a classe trabalhadora em geral. Os contínuos ataques do Governo enfraqueceram os Sindicatos e o poder de fogo dos trabalhadores, mas ainda não conseguiram calar a Categoria, que avalia a situação e discute as estratégias de luta.

    O aprofundamento das discussões em Mato Grosso começou por volta das 8h, num café da manhã em frente do relógio ponto do TRE, e a partir das 9h teve a assembleia geral com Ato, em frente à Casa da Democracia, com tenda e carro de som. Foi nessa ocasião que o vice-presidente do Sindijufe (MT) e dirigente da Fenajufe Rodrigo Carvalho declarou, durante uma de suas falas, que até o final de 2017 a Categoria ainda pode fazer muita coisa contra a retirada de direitos e outros ataques sofridos por ação do Governo Temer com a conivência do Supremo Tribunal Federal, da Câmara e do Senado Federal. “Esqueçam o formato da carreira de Servidor Público como ela é hoje, porque a partir de 2019 será tudo diferente”, declarou ele.

A Presidente do Sindijufe (MT), Jamila Abrão, também se pronunciou por várias vezes, sempre alertando a Categoria sobre o desmonte da Justiça Eleitoral e da Justiça do Trabalho. “Toda reforma trabalhista foi idealizada e executada sob a ótica do Capital e, em nenhum momento sob a ótica do Empregado. A prevalência do negociado sob o legislado, nada mais é que aniquilar a Justiça do Trabalho até o clamor pela sua extinção. O sistema que aí está só quer saber de penalizar a classe trabalhadora”, disse ela, citando como exemplo a aprovação na CCJ do projeto que permite a demissão de servidores estáveis por insuficiência de desempenho, levando-se em consideração critérios puramente subjetivos, quando a Lei n. 8.112/90 já estabelece critérios objetivos para tal mister. Alertou que esse projeto aumentará sobremaneira as perseguições e assédio moral dentro das instituições.  “Precisamos deixar de ser omissos e lutar pela preservação dos nossos direitos enquanto ainda há tempo”. Para atrair o máximo de pessoas à assembleia e ao ato dessa manhã, Jamila e a Diretora do Sindicato Júlia Viñe passaram toda a manhã desta segunda-feira (09), distribuindo panfletos e convidando os Servidores a comparecerem na manifestação de hoje.

Além da presidente e do vice-presidente do Sindijufe (MT), participaram do ato em Mato Grosso vários outros Diretores do Sindicato, destacando-se a participação da Diretora Gisely Regina Pires, a qual, muito embora pertença ao quadro da Justiça do Trabalho, se fez presente por entender que a “Luta é de todos”! O servidor da Justiça Eleitoral Antonio Henrique Boaventura também participou da manifestação, e a fala dele, por sinal, foi um dos destaques da assembleia. Antonio trabalhava em um dos 2 cartórios eleitorais já extintos em Cuiabá, por determinação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e compareceu à manifestação à convite do Sindicato, para esclarecer o porquê de alguns Servidores  da Justiça Eleitoral em Mato Grosso terem se manifestado favoráveis à extinção das Zonas Eleitorais.

Com a experiência de quem dedicou 12 anos de sua vida profissional ao Cartório Eleitoral extinto neste ano, Antonio manifestou preocupação com a preservação da estrutura eleitoral do País. “O desmonte da Justiça Eleitoral em andamento é o maior ataque sofrido nos últimos 80 anos”, disse ele, destacando que muitos colegas preferem a extinção das zonas eleitorais a serem remanejados para cidades distantes do interior do Estado. Segundo ele o Governo atual só está preocupado em defender os interesses da classe empresarial, sem se preocupar com a classe trabalhadora e com a população, e destacou que neste cenário de medidas absurdas adotadas pelo Governo tem inclusive a entrega do Pré-sal e da Amazônia aos estrangeiros.

Na assembleia realizada pelo Sindijufe (MT) neste 10 de outubro também teve eleição de suplente de delegado para participar da XXI Plenária da Fenajufe, que acontecerá nos dias 09, 10, 11 e 12 de novembro de 2017 em Campo Grande – MS: a Diretora do Sindicato Gisely Regina Pires foi eleita por unanimidade. E teve, ainda, uma deliberação sobre a atuação do Conselho Fiscal da atual gestão na prestação de contas de 2016: foi referendada a atuação do Conselho Fiscal do Sindicato, sob o respaldo do parecer da Assessoria Jurídica do Sindicato.

Fonte: Fenajufe

Sobre Jéssica Farias Ramos