EM ENTREVISTA À RÁDIO ARGENTINA, PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS DE MAR DEL PLATA FALA SOBRE PARTICIPAÇÃO NO SEMINÁRIO INTERNACIONAL

O presidente da Associação de Oficiais de Justiça e Notificadores da Argentina, Maximiliano Jesus Marchese Monterisi, concedeu entrevista, nesta quarta-feira (10), para uma rádio de Mar del Plata, onde falou sobre a carreira e as funções exercidas pelos Oficiais e Notificadores daquele país, bem como da participação no Seminário Internacional da Fenassojaf, em Brasília (DF).

No programa Diálogo Abierto da rádio Residencias, Monterisi reafirmou o trabalho desempenhado através da Associação para a proteção dos Oficiais no exercício da profissão e da troca de experiências com Oficiais de Justiça de diversas regiões do mundo, diante da oportunidade de prestigiar eventos como o Seminário Internacional no Brasil.

“No Brasil, graças à coordenação de Malone Cunha e Neemias Freire, que são da Federação Nacional, pudemos constatar os problemas parecidos que acontecem com Oficiais de Justiça da Europa, da África e da América Latina”.

Ainda de acordo com ele, durante o Seminário, as propostas apresentadas pela Associação da Argentina para medidas de segurança, como o botão anti-pânico, foram bem vistas pelos representantes dos países participantes. “Esse botão é uma ajuda a mais para que o Oficial de Justiça se sinta protegido”, explica.

Ao ser questionado sobre o que mais o impactou no Seminário Internacional da Fenassojaf e “que poderia ser implementado na Argentina”, Maximiliano afirma que “o que mais me impactou é a união entre os Oficiais de Justiça do Brasil. É impressionante”, disse.

Segundo o presidente da Associação da Argentina, os Oficiais de Justiça brasileiros sabem o que querem e atuam juntos, por intermédio da Fenassojaf e Associações filiadas, para a conquista das pautas da classe. “Nós estamos trabalhando na ideia da criação de uma União Latino Americana, assim como a UIHJ e UAHJ, para o trabalho conjunto pelos Oficiais de Justiça dos países”, explicou.

Confira AQUI parte da entrevista concedida por Maximiliano Jesus Marchese Monterisi

Da Fenassojaf, Caroline P. Colombo